Saltar para Conteúdo

Santarém

DO PLANALTO DE SANTARÉM AO RIO TEJO


Distância: 6,2 km; 
Duração: 3h;
Grau de dificuldade: Médio.
Localização: Santarém
Ponto de partida: Jardim da República
Coordenadas gps-wgs84: 39.238493, -8.685847


Este percurso leva à descoberta da milenar relação entre a paisagem e a vida desta cidade histórica. No ponto inicial, localizado no Jardim da República, tem facilidade de estacionamento e diversos serviços de cafetaria e restauração. Não deixe de visitar o mercado municipal, localizado ao lado do jardim, pois os seus painéis de azulejos levam a uma viagem no tempo pelas paisagens e pela vida das gentes aqui retratadas no seu dia-a-dia.

Partindo do coreto localizado no meio do jardim, e tendo o parque de estacionamento do seu lado esquerdo, siga em frente atravessando todo o jardim até ao adro do antigo Convento de São Francisco. A sua igreja, classificada como Monumento Nacional, é considerada como a mais bela manifestação de arte gótica do país anterior à construção do Mosteiro da Batalha, e as analogias mais evidentes parecem situar-se em obras da antiga coroa de Aragão, hoje em solo espanhol. De frente para o pórtico de entrada desça a escadaria à sua direita e de imediato vire à esquerda seguindo sempre em frente por uns quatrocentos metros. Do seu lado direito pode ver a igreja de Santa Clara, classificada como Monumento Nacional, e alguns metros à frente, vire à direita e desça em linha reta os vários lances da larga escadaria que acaba na calçada de Santa Clara. Desça até à Ribeira de Santarém. É uma estrada antiga, agora asfaltada, com sentido único ascendente que exige atenção redobrada. Passados uns quatrocentos metros quando surge casario de ambos os lados vire na primeira à direita, descendo uma escadaria que termina junto ao largo de Santa Cruz, frontal à Igreja de Santa Cruz, classificada como Monumento Nacional. Atravesse a estrada à esquerda seguindo não pela rua em frente mas pela rua de Santa Cruz.

Siga em frente e depois de passar em segurança a linha férrea, vire na primeira rua à esquerda, onde existia uma antiga porta da muralha deste núcleo, logo de imediato à direita e novamente à esquerda percorrendo até ao final toda a rua Direita de Palhais até ao largo e chafariz com o mesmo nome e à ponte medieval de Alcorce. Toda esta zona denominada Santa Iria da Ribeira de Santarém é muito antiga, com 2 paróquias nos finais do século XII. No final da rua vire à direita, atravesse a estrada, e vire novamente à direita, seguindo sempre em frente e mantendo do seu lado esquerdo uma galeria de árvores ribeirinhas e, do lado contrário, o casario. Aqui é possível observar a Toutinegra-dos-valados (Sylvia melanocephala) uma das muitas espécies de aves que nesta zona encontram abrigo e alimento. Depois de passar o coreto e os campos desportivos, no final de todo o casario, tem acesso às margens do rio e pode ver o padrão com a representação de Santa Iria, reconstruído em 1644. Vire à direita e, de imediato novamente à direita.

Siga em frente, atravessando todo o largo. No final, vire à esquerda e novamente à esquerda, passando a linha férrea no mesmo local. Ao passar a linha, vire à esquerda e siga sempre em frente por esta rua paralela à linha férrea. Ao chegar à igreja de Santa Iria com testemunhos góticos, continue em frente subindo a rua até à rua do Calvário, onde começa um troço de seiscentos metros, estreito que passa por baixo da ponte D. Luís, permitindo desde esse ponto a tomada de vistas sobre o rio e galeria ripícola. A ponte construída entre 1876 e 1881, foi a primeira ligação rodoviária entre o Norte e o Sul do país.

Ao chegar ao Alfange, vire na primeira à direita, e dê início à subida até ao planalto e à cidade. Passados cem metros, suba a escadaria à sua direita que dá acesso ao adro da igreja de São João Evangelista. Siga pelo lado esquerdo da igreja, e continue a subir por mais cem metros, virando à direita. Aqui começa um troço de setecentos metros em que deve seguir sempre em frente até entrar na muralha do castelo.

Os primeiros trezentos metros são num socalco pavimentado a meia encosta que permite as primeiras vistas sobre os campos, rio e suas margens, e os restantes por um trilho de pé posto numa encosta de declive acentuado onde os metros finais são já na calçada medieval. Este troço coincide com o ancestral caminho de Santiago. Depois de passar a porta de Santiago, siga em frente e entre no jardim. Aproveite para descansar, explorar os muitos recantos ou aproveitar o miradouro das Portas do Sol para simplesmente contemplar a magnífica vista panorâmica sobre a Lezíria do Tejo. Ao sair do jardim siga a avenida 5 de Outubro em frente e volvidos duzentos metros vire à esquerda e desça a Travessa da Judiaria, no final, observe à esquerda o antigo baluarte da muralha e tome a direita que acompanha a lateral da Igreja da Graça, classificada como Monumento Nacional e, quando a rua bifurca, siga pela esquerda. Chegado ao Largo Pedro Álvares Cabral siga em frente pela rua Braamcamp Freire. Em frente à Casa-Museu Anselmo Braamcamp Freire espreite o miradouro com vistas para o Vale de Torres. Após uns cento e cinquenta metros, vire à direita e suba as escadinhas do Milagre até ao largo, com a Igreja de Stº Estevão, Monumento Nacional e santuário, conhecido pelo Milagre ocorrido no século XIII. Aqui torne à direita para a rua Miguel Bombarda até encontrar um cruzamento, conhecido por canto da cruz, onde vira à direita seguindo agora por uns cem metros a 1º de Dezembro. A meio da rua passa pela Igreja da Misericórdia, classificada como Monumento Nacional.

No final ladeie pela esquerda a igreja de Nª Sr.ª de Marvila, classificada como Monumento Nacional, data do séc. XII, apelidada de "catedral do azulejo seiscentista” devido ao seu magnífico revestimento azulejar, virando de imediato à direita e passados cem metros novamente à esquerda. Neste ponto tem adjacente a Torre das Cabaças e a Igreja de S. João de Alporão, classificada como Monumento Nacional. Siga até ao final da rua Passos Manuel e vai encontrar num recanto à esquerda as escadinhas do Carmo. No final destas está marcado no pavimento o local da antiga porta da Atamarma que liga à calçada e vale do mesmo nome ao núcleo da Ribeira. Deve seguir sempre em frente, subindo, mantendo o casario do seu lado esquerdo e as muralhas da cidade à direita. Acompanhe as curvas da muralha por uns duzentos e cinquenta metros na Rua Luís de Camões, espreite o miradouro. Continue e na bifurcação, descendo, faça o desvio até à Fonte das Figueiras, chafariz gótico que é monumento nacional único, pela calçada das Figueiras, com atenção ao atravessamento da Estrada Nacional. Volte pelo mesmo sítio, suba à esquerda, e passado poucos metros suba as escadinhas da travessa das Figueiras. No final vire à direita e de imediato à esquerda. Chegou à Praça Sá da Bandeira, praça maior de Santarém de onde partem as principais artérias comercias do centro histórico.

Tendo a Sé à sua frente saia da praça pela rua à direita, passando junto da Igreja de Nª Srª da Piedade, atravesse a estrada e está de regresso ao ponto inicial. 

Image 452

Também poderá gostar